Sapatada

A sapatada do jornalista iraquiano em W. Bush foi um dos grandes momentos do ano. Quem não adoraria jogar alguma coisa na cabeça do presidente norteamericano é ruim da cabeça ou doente do pé. Diga-se, vale para qualquer presidente. A diferença é o sujeito ter os culhões para as vias de fato.

Agora, digna de nota mesmo, é a classe da escolha do sapato como objeto voador.

Ficamos sabendo, então, não haver humilhação maior do que um sapato voando na sua direção. Diz-se, entre a sola e o chão, só fica sujeira. Uma pérola cultural, essa sapatada.

Mesmo com o esforço da média midia internacional em desmoralizar o mundo islâmico, a riqueza cultural desses povos consegue vazar pelas entrelinhas das notícias. Turcos, sauditas, afegãos, iraquianos a até paquistaneses recebem a incorreta e generalizadora alcunha de “árabes”, como se Buenos Aires fosse a capital do Turcomenistão. Associando imediatamente a palavra “árabe” ao radicalismo e, por extensão, ao terrorismo, os ignorantes desaproveitam as nuances de uma cultura vastíssima espalhada por essa rincão do mundo, berço de civilizações complexas e inspiradoras nas artes, na culinária, também na cultura, na política e, pasmem os néscios, no bom humor e hospitalidade.

Dia desses vi, e recomendo, o brilhante “Neste Mundo”,  de Michael Winterbottom. Sem perder tempo com bobagens politicamente corretas, o filme narra a saga de dois afegãos rumo a Londres e rasga a região de ônibus, caminhão, jipe, lomba de jegue, enfim, do Paquistão à Turquia, mostrando a diversidade cultural envolta em paisagens secas e deslumbrantes desses e daqueles “árabes”.

3 comentários em “Sapatada

  1. Muito bom esse texto !! E em especial, destaco duas passagens do texto que me pareceram ótimas “sacadas” , uma dessas passagens está logo no início do texto que é:
    ” Quem não adoraria jogar alguma coisa na cabeça do presidente norteamericano é ruim da cabeça ou doente do pé “.
    E depois:
    ” Turcos, sauditas, afegãos, iraquianos a até paquistaneses recebem a incorreta e generalizadora alcunha de “árabes”, como se Buenos Aires fosse a capital do Turcomenistão”.

  2. Com certeza, ficamos bem interessados e assistir, ficamos interessados nisso sobre o filme que você comentou no seu texto ” Sem perder tempo com bobagens politicamente corretas, o filme narra a saga de dois afegãos rumo a Londres e rasga a região de ônibus, caminhão, jipe, lomba de jegue, enfim, do Paquistão à Turquia, mostrando a diversidade cultural envolta em paisagens secas e deslumbrantes desses e daqueles “árabes”. ”
    Ficamos muito interessados além de tudo de ter oportunidade através da película de ver a região rasgada aí pelos meios de transporte que conduziram a saga dos dois afegãos…vamos assistir as soon as possible…além da excelente metáfora com a sapatada e citação da música na oração do início do texto ” Quem não adoraria jogar alguma coisa na cabeça do presidente norteamericano é ruim da cabeça ou doente do pé” ressaltando, claro, a excelente comparação de “sapatada” e quem não quer fazer isso é ” ruim da cabeça ou doente do pé”, ficou muito bom também a metáfora sobre o comentário do filme que além de poder ver a paisagem da região se pode ver toda a diversidade cultural ” em volta em paisagens secas e deslumbrantes desses e daqueles “árabes” ” Desses e daqueles “árabes” ficou uma excelente metáfora irônica e inteligente e fechou o texto maravilhosamente, uma vez que ” desses e daqueles “árabes” resume muito bem toda a idéia sobre o mundo islâmico abordado no texto além de essa metáfora, no fundo, abordar também a questão Bush EUA X mundo islâmico. O texto é pequeno, mas de uma grandiosidade enorme, já passei para vários amigos e todos adoraram e vão assistir ao filme, ótima dica ! Abraços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.